Sexta-feira, 22 de novembro de 2019
Anuncie no Ururau | Contato
Logo

Coluna do Psicanalista

Luiz Duncan

Responsabilidade

26/10/2019 às 09h36

Responsabilidade
Ontem me deparei com essa frase de Freud: “Qual a sua responsabilidade na desordem da qual você se queixa”?

 Se não abrirmos os olhos para o nosso interior e percebermos qual é a nossa parte nos sofrimentos e frustrações pelas quais estamos passando, nada irá mudar. É da ordem do impossível.

Daí me veio a pergunta: quais as opções para um sujeito que sofre muito? A própria neurose providencia uma solução: gerando uma inibição ou um sintoma. Essa é a primeira tentativa de aliviar a angustia. Se essa resposta for satisfatória, ele não irá buscar ajuda de outro recurso, mas não sendo, o sujeito pode ainda colocar a esperança de um bem-estar em “alguma coisa” como, drogas, álcool, entorpecentes e por aí vai.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

O que podemos pensar é que são saídas pelo gozo em detrimento do desejo. Entorpecem o sujeito, logo o desejo, deixando que a improdutividade impere. Isso que chamamos de “alguma coisa” seria a própria presença do objeto tamponando, calando, sufocando o desejo.

Um outro caminho, para o sujeito que sofre muito, é o de crer em algo acabado, completo, pleno. Isso lança o sujeito na impotência, no excesso de imaginário ou no excesso de simbólico, onde tudo tem explicação. Com certeza não teremos mudanças efetivas.

A psicanalise, enquanto dispositivo clinico, uma descoberta de Freud, tão importante quanto o conceito de inconsciente, visa a mudança no real. Onde o sujeito se depara com a castração. A incompletude e a falta passam a ter um valor inestimável, é o que possibilita ao sujeito constituir-se como desejante. Ele não se vê como fálico, mas como falho.Tornar-se "senhor das próprias infelicidades"e acolher o sofrimento é poder se entregar à vida de forma potente.

Não se trata de dar um lugar ao sofrimento como ideal. Pelo contrário, atravessá-lo significa retirá-lo desse terreno e remove-lo para o lugar de impulso. Deixar de ver o sofrimento como coitado e passar a vê-lo como impulso é mudar a visão que se tem em relação ao sofrimento.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Assim, da impotência neurótica chega-se a impossibilidade lógica para se partir para a possibilidade e a necessidade de uma escritura que pode se dar através de um escrito, de uma construção. O resultado de toda essa operação é sofrer o mínimo possível.

Como dizia Freud.“A maioria das pessoas não quer realmente a liberdade, pois liberdade envolve responsabilidade, e a maioria das pessoas tem medo de responsabilidade”.

                                                                Luiz Roberto Duncan

                                                                     Psicanalista


+ NOTÍCIAS

Aviso importante: a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash etc) do Portal Ururau não é permitida sem autorização e os devidos créditos e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismo de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com o Portal Ururau para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato através do email: parceria@ururau.com.br
Logo
Todos os direitos reservados - Ururau Copyright 2008 - 2016 Desenhado e programado por Jean Moraes

Poxa! Você usa bloqueadores de anúncios :(

Produzir matérias com qualidade demanda uma equipe competente e comprometida com o bom jornalismo. A publicidade é o único meio de viabilizar e manter nossos serviços ofertados gratuitamente aos nossos leitores. Colabore conosco adicionando o http://www.ururau.com.br como exceção de sites permitidos.

Clique aqui e saiba como adicionar o Ururau como site permitido!

Já fiz isso Fechar aviso