Estamos mais próximos de um soro contra o veneno de abelha

Facebook Whatsapp Twitter
Sexta-feira, 18 de outubro de 2019
Anuncie no Ururau | Contato
Logo

Saúde

Estamos mais próximos de um soro contra o veneno de abelha

Facebook Whatsapp Twitter

17/09/2019 às 09h05

Reprodução
A solução é fruto de um trabalho de mais de duas décadas

Compartilhe essa notícia!

Facebook Whatsapp Twitter
Felizmente, isso deve mudar em breve. Foram apresentados no Congresso Brasileiro de Infectologia, em Belém do Pará, os resultados do primeiro estudo em humanos com um soro contra o veneno de abelha, algo inédito no mundo.

A solução é fruto de um trabalho de mais de duas décadas capitaneado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu. No congresso, o infectologista e membro do grupo de pesquisa Alexandre Barbosa compartilhou um pouco do histórico do soro e dos achados nos testes de segurança envolvendo 20 pessoas que sofreram envenenamento por ataques de abelha.

Os resultados são positivos e promissores. É provável que, daqui a alguns anos, da mesma forma que já dispomos de soros contra venenos de serpentes, tenhamos um produto destinado a frear os terríveis efeitos das toxinas das abelhas no corpo humano.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

O perigo dos ataques de enxames

Não se iluda pensando que os acidentes com abelhas só atingem quem trabalha com elas no interior do país. Parcela significativa dos casos ocorre com pessoas que vão ao campo ou às matas fazer trilhas, esportes radicais e turismo. Ninguém defende uma caçada aos insetos, que, segundo cientistas, enfrentam risco de extinção e são essenciais para a polinização das plantas. Mas convém conhecê-los melhor e entender por que seus ataques são potencialmente letais.

Em sua apresentação no Congresso Brasileiro de Infectologia, Barbosa resumiu a história das abelhas no país. Antes da colonização, os insetos que predominavam nestas terras eram aqueles sem ferrão. No século 17, porém, os portugueses introduziram a Apis mellifera, espécie europeia com ferrão e com maior capacidade de produzir mel em larga escala. Aos poucos, a abelha europeia tomou conta do pedaço.

Em 1956, por sua vez, o Brasil assistiu à introdução da abelha africana, também com a ideia se de expandir a produtividade e os rendimentos na apicultura. Só que se perdeu o controle com o inseto, que se espalhou rápida e intensamente. Com o cruzamento e a hibridização entre as variedades europeia e africana despontaram as abelhas “africanizadas”.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

“Elas são grandes produtoras de mel, mas possuem um efeito colateral: são muito defensivas, rápidas e excitáveis”, contou Barbosa. “Se você mexeu com uma, mexeu com todas”, completou o médico, fazendo referência aos ataques de enxames que podem envolver mais de 200 exemplares do inseto. As “africanizadas” reinam por aí porque resistem a pragas e não têm inimigos naturais (com exceção do homem). Segundo Barbosa, se um enxame se sentir provocado, pode demorar quase meia hora para se acalmar.

O corpo de quem recebe um ataque dessa envergadura sofre com os efeitos das toxinas em si. Além das lesões na pele, o veneno compromete células do sangue e dos músculos, leva a uma dor intensa, afeta o cérebro e pode desencadear insuficiência dos rins, do fígado ou até do coração. Diante de centenas ou milhares de picadas, o organismo não raro entra em estado de choque e, infelizmente, muitas vítimas não resistem.

Fonte: Saúde Abril


Aviso importante: a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash etc) do Portal Ururau não é permitida sem autorização e os devidos créditos e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismo de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com o Portal Ururau para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato através do email: parceria@ururau.com.br
Logo
Todos os direitos reservados - Ururau Copyright 2008 - 2016 Desenhado e programado por Jean Moraes

Poxa! Você usa bloqueadores de anúncios :(

Produzir matérias com qualidade demanda uma equipe competente e comprometida com o bom jornalismo. A publicidade é o único meio de viabilizar e manter nossos serviços ofertados gratuitamente aos nossos leitores. Colabore conosco adicionando o http://www.ururau.com.br como exceção de sites permitidos.

Clique aqui e saiba como adicionar o Ururau como site permitido!

Já fiz isso Fechar aviso