Melhoria na saúde está ligada à redução da desigualdade social

Facebook Whatsapp Twitter
Sexta-feira, 18 de outubro de 2019
Anuncie no Ururau | Contato
Logo

Saúde

Melhoria na saúde está ligada à redução da desigualdade social

Facebook Whatsapp Twitter

08/07/2019 às 17h14

Reprodução
Especialistas afirmam que investir em infraestrutura e gastar de forma mais eficiente são essenciais para sistemas de saúde na América Latina

Compartilhe essa notícia!

Facebook Whatsapp Twitter
Reduzir desigualdades, melhorar infraestruturas e tornar mais eficientes os gastos em saúde são fatores essenciais para uma evolução dos sistemas de saúde dos países latino-americanos, onde uma das principais causas de morte é o câncer.

"Na América Latina se investe pouco. Além disso, de 20% a 40% dos recursos são usados em serviços que não são úteis para as pessoas", afirmou Rubén Torres, reitor da universidade argentina ISalud, durante sua participação no Roche Press Day 2019, fórum anual de educação em jornalismo científico e de saúde realizado nesta semana em São Paulo.

Torres destacou que um dos principais problemas que dificultam o acesso à saúde na América Latina é a corrupção, que segundo ele consiste não só no roubo, como no mau uso de recursos.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

"Em muitas ocasiões, os gastos não têm impacto final em saúde, e isso é corrupção. O que precisa ser visto é se esses gastos podem ser eliminados, com o orçamento sendo destindo àquilo que de fato serve", declarou.

Economista da Universidade da Antioquia, na Colômbia, Jairo Restrepo afirmou que outro problema está ligado ao financiamento, já que, na maioria dos países latino-americanos, gasta-se mal, e os cidadãos têm que tirar dinheiro do próprio bolso para cuidar de sua saúde.

Restrepo acrescentou que há fatores que estão obrigando os sistemas de saúde a gastarem mais, entre eles o envelhecimento da população, as mudanças epidemiológicas, os estilos de vida e a demanda da população, que cada vez exige um maior e melhor acesso à saúde.

"O desafio é que os governos priorizem, já que a saúde exige um investimento muito alto. Por isso a prioridade deve ser a prevenção e a detecção antecipada", indicou.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Do mesmo modo, Restrepo destacou a importância de se promover uma melhora na qualidade da radioterapia e do acesso a medicamentos, além de se garantir uma proteção financeira para reduzir as despesas catastróficas, sobretudo, em doenças como o câncer.

Segundo Raúl Eguiluz, gerente do Instituto Regional de Doenças Neoplásicas do Peru (IREN), existem também outros problemas na região, como implementar a oferta de serviços oncológicos, além de melhorar os serviços de saúde para que sejam mais efetivos.

Wilson Merino, coordenador nacional do Acordo contra o Câncer no Equador, opinou que ele só será alcançado se for dado um resignificado à política e se for repensado o papel da participação popular.

"A política deve ser vista como um espaço para servir e melhorar a qualidade de vida das pessoas, enquanto os cidadãos devem se organizar e participar mais da tomada de decisões", acrescentou.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Neste sentido, Jorge Tanaka, diretor de Acesso e Assuntos Corporativos da Roche no México, enfatizou que a sociedade deve agir em conjunto e se informar, já que ficou provado que a divulgação por si só não é suficiente.

"É uma responsabilidade como sociedade", afirmou, além de destacar que ferramentas atuais como os registros nacionais e as inovações tecnológicas são transcendentais, já que, segundo ele, "nos levarão a ter um maior impacto na saúde".

Os especialistas presentes ao evento concordaram que este é um momento crucial para atuar na luta contra o câncer, pois a tendência é de que os casos da doença na América Latina aumentem em mais de 30% em 2030. Isso significará 5 milhões de novos casos por ano na região, e apesar de que 40% dos casos poderiam ser prevenidos com o controle de fatores de risco como o consumo de tabaco, de álcool, uma dieta pouco saudável e a inatividade física.

"A maioria dos pacientes não sabe como prevenir a maioria dos tipos de câncer e é por isso que são detectados em períodos tardios", lamentou Restrepo.

Fonte: R7 Saúde


Aviso importante: a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash etc) do Portal Ururau não é permitida sem autorização e os devidos créditos e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismo de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com o Portal Ururau para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato através do email: parceria@ururau.com.br
Logo
Todos os direitos reservados - Ururau Copyright 2008 - 2016 Desenhado e programado por Jean Moraes

Poxa! Você usa bloqueadores de anúncios :(

Produzir matérias com qualidade demanda uma equipe competente e comprometida com o bom jornalismo. A publicidade é o único meio de viabilizar e manter nossos serviços ofertados gratuitamente aos nossos leitores. Colabore conosco adicionando o http://www.ururau.com.br como exceção de sites permitidos.

Clique aqui e saiba como adicionar o Ururau como site permitido!

Já fiz isso Fechar aviso