Quinta-feira, 26 de novembro de 2020
Anuncie no Ururau | Contato
Logo

Economizando

Charles Medina

Arroz salgado para o bolso do brasileiro

22/09/2020 às 12h53

Reprodução
O noticiário das últimas semanas nos mostrou o quão alto estão os preços de determinados produtos da alimentação, entre eles o arroz
O noticiário das últimas semanas nos mostrou o quão alto estão os preços de determinados produtos da alimentação, entre eles o arroz, símbolo do cardápio brasileiro, presente em vários pratos e em quase 90% das mesas do brasileiro.

A iguaria subiu 3,98% em agosto e acumula um aumento de 19,25% no ano de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Outro item presente na culinária nacional, o feijão, dependendo do tipo e da região, acumula alta superior aos 30%, também de acordo com o IPCA de agosto. Completa a lista de grandes altas do ano o leite (23%).

O aumento do arroz pode ser explicado por alguns fatores, como o menor estoque público para regulação dos preços e a alta do dólar, dentre outros.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

No caso dos estoques públicos de arroz, segundo acompanhamento realizado pela Conab, chegaram a setembro a 606,6 toneladas, o suficiente para menos de um mês de consumo e o menor patamar para o mês desde 2010, de acordo com a revista Globo Rural.

Outro responsável pelo levante dos preços, foi a alta do Dólar, com valorização de 34,13% no ano até o dia 18/09, levando a um crescimento das exportações do produto.

Este crescimento das vendas ao exterior, no entanto não significou ganho direto para os produtores, mas sim, para as grandes empresas que compram e comercializam o produto.

O aumento das exportações do arroz foi da ordem de 73% de janeiro a agosto desse ano de 2020. Dentre os países que mais compraram arroz brasileiro segundo o Ministério da Economia estão Venezuela que adquiriu cerca de 20% do produto nacional, depois vem Costa Rica, Senegal, Montenegro, Peru, Serra Leoa, Cuba, Gâmbia África do Sul e EUA.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Posto isto, o que se observa é que, são as famílias na faixa de insegurança alimentar grave, àquelas com dificuldade de garantir alimentos em quantidade suficiente para seus membros, que mais são afetadas por esse crescimento nos preços do arroz e de outros produtos da cesta básica.

Como boa parte da renda dessas famílias é gasta com alimentação, qualquer aumento reflete em menos reais para serem gastos com outros produtos necessários.

Em circunstâncias normais a primeira orientação seria a substituição do produto que sofre carestia para outro de menor preço, porém no caso do arroz, os substitutos como batata, macarrão, aipim, custam mais caro proporcionalmente.

Assim, buscando redução dos preços, o governo reduziu as taxas de importação para 400 mil toneladas do arroz para países de fora do Mercosul até o fim do ano.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Dificilmente os preços voltarão a patamares pré pandemia, porém para uma queda a valores menos salgados no bolso do brasileiro e principalmente para àqueles que ganham menos, seria necessário um crescimento da safra 20/21, que iniciará a colheita em março/21, ou a queda do dólar.

O crescimento da safra pode se efetivar, já que há uma previsão de aumento da área plantada em 12%. Entretanto, a queda da cotação do dólar que ajudaria firmemente na redução do preço reduzindo as exportações e colocando mais produto no mercado nacional, parece fora do radar neste momento.

Charles Medina Faria


+ NOTÍCIAS

Aviso importante: a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash etc) do Portal Ururau não é permitida sem autorização e os devidos créditos e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismo de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com o Portal Ururau para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato através do email: parceria@ururau.com.br
Logo
Todos os direitos reservados - Ururau Copyright 2008 - 2016 Desenhado e programado por Jean Moraes

Poxa! Você usa bloqueadores de anúncios :(

Produzir matérias com qualidade demanda uma equipe competente e comprometida com o bom jornalismo. A publicidade é o único meio de viabilizar e manter nossos serviços ofertados gratuitamente aos nossos leitores. Colabore conosco adicionando o http://www.ururau.com.br como exceção de sites permitidos.

Clique aqui e saiba como adicionar o Ururau como site permitido!

Já fiz isso Fechar aviso