Terça-feira, 18 de dezembro de 2018
Anuncie no Ururau | Contato
Logo

Clube de Astronomia

Louis Cruls

O Julgamento do Macaco....

30/09/2018 às 11h40 30/09/2018 às 11h42

Divulgação
O Julgamento do Macaco...
Olá!!! Galileu Galilei em 22 de junho de 1633 recebeu o veredito de seu julgamento, conduzido pela Igreja Católica, por defender o modelo de Copérnico. Foi informado que “...a proposição de que o Sol é o centro do mundo e não se move de seu lugar é filosoficamente absurda e falsa e formalmente herética, porque é expressamente  contrária a Sagrada Escritura.

A proposição de que a Terra não é o centro do mundo e não está imóvel mas que se move, e também com um movimento diurno, é  igualmente absurda e filosoficamente falsa e teologicamente considerada pelo menos errônea na fé.” O seu livro “Diálogo sobre os sistemas máximos do mundo” foi proibido e ele foi condenado à prisão e a penitência de durante três anos repetir uma vez por semana os sete Salmos penitenciais.

Em julho de 1925, na cidade de Dayton, no estado de Tenesse,  o professor John Thomas Scope, na época com 25 anos, foi levado a julgamento. Havia sido acusado de  ter violado uma lei estadual que proibia o ensino da teoria da evolução nas escolas públicas. O jornalista Henry Louis Mencken tornou o julgamento conhecido como o “O Julgamento do Macaco” (“The Monkey Trial”). O advogado de defesa era Clarence Darrow, agnóstico e defensor das liberdades individuais (União Norte-Americana pelas Liberdades Civis) e Williams Jennings Bryan, conservador e candidato derrotado à presidência, era o advogado de acusação. O debate entre os dois advogados tornou o julgamento mundialmente conhecido. Ele durou onze dias e foi o primeiro a ser transmitido por rádio. O juiz John Rauston não permitiu que a defesa apresentasse cientistas como testemunhas em favor da teoria da evolução.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

A seguir apresento alguns trechos do julgamento (em livre tradução):

“A defesa nega que faça parte de qualquer movimento ou conspiração por parte de cientistas com o objetivo de destruir a autoridade do Cristianismo ou da Bíblia. A defesa nega que tal conspiração exista a não ser na mente do líder evangélico que representa a acusação. A defesa mantém que o livro de Gênesis é em parte um hino, em parte uma alegoria e o trabalho de interpretações religiosas escritas por homens que acreditavam que a terra era plana e de quem não pode ser aceita a autoridade para controlar o ensino de ciência em nossas escolas. O propósito direto da defesa é estabelecer a inocência de Scope.”

“Agora, eu reivindico, e é a base da defesa que estas coisas que nós estamos mostrando são fatos legítimos, tão bem substanciados como a teoria de Copérnico e se isso é assim, meritíssimo, então nós dizemos que desde o seu começo  esta lei é uma restrição irracional à liberdade dos cidadãos e não está inserida no poder de polícia do estado.”

Clarence Darrow no quinto dia de julgamento interrogou diretamente Williams Jennings Bryan.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

“-Sr. Bryan, você acredita que Eva foi a primeira mulher?

-Sim

- O sr. acredita que ela foi feita literalmente da costela de Adão?

-Sim.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

- O sr. já descobriu onde Caim encontrou a sua esposa?

- Não, senhor; Eu deixo que os agnósticos a encontrem.

- O sr. nunca descobriu?

- Eu nunca tentei descobrir.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

-O sr. Nunca tentou descobrir?

-Não

- A Bíblia diz que ele encontrou uma, não foi? Havia outras pessoas na Terra naquele momento?  

- Eu não posso dizer.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

- O sr. não pode dizer. Isso já entrou em sua consideração?  

- Nunca me aborreceu.

- Não havia nenhuma outra pessoa registrada, mas Caim encontrou uma esposa.  

-Isso é o que a Bíblia diz.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

- De onde ela veio você não sabe. Tudo bem. A declaração, " E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro." e "E foi a tarde e a manhã, o dia segundo." significa alguma coisa para o sr.?  

- Eu necessariamente não penso que significa um dia de vinte e quatro horas.

- O que o sr. considera que seja?  

- Eu não tentei explicar isto. Se o sr. considerar o segundo capítulo – deixe-me ler o livro (examinando a Bíblia). O quarto versículo do segundo capítulo diz: “Eis as origens dos céus e da terra, quando foram criados. No dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus", a palavra "dia" é usada para descrever um período. Eu não vejo que há alguma necessidade em interpretar as palavras, "a noite e a manhã", como necessariamente significando um dia de vinte e quatro horas, "no dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus."

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

- Então, quando a Bíblia diz, por exemplo, " Chamou Deus ao firmamento céu. E foi a tarde e a manhã, o dia segundo. " não  necessariamente significa vinte e quatro horas?  

- Eu necessariamente não penso que significa.  

- O sr. pensa que significa ou não?  

- Eu sei que muitos pensam assim.  

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

-O que pensa o sr.?  

- Eu penso que não.  

- O sr. pensa que esses dias não dias literais?  

- Eu não penso que eles sejam dias de vinte e quatro horas.  

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

- O que pensa o sr. sobre isso?  

- Essa é a minha opinião - Eu não sei se minha opinião é melhor nesse assunto do que as do que pensam que significa um dia de vinte e quatro horas.  

-Você não pensa isso?  

- Não. Mas eu penso que seria da mesma maneira fácil para o Deus que nós acreditamos fazer a Terra em seis dias como em seis anos ou em 6.000.000 anos ou em 600.000.000 anos. Eu não penso que seja importante se nós acreditamos em um ou no outro.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

- O sr. pensa que eram dias literais?  

- Minha impressão é que eles eram períodos, mas eu não arguiria  contra qualquer pessoa que quer acreditar em dias literais.”

John Thomas Scope foi condenado a pagar uma multa. O julgamento teve uma enorme repercussão. Evitou que outros estados adotassem leis parecidas.

Atualmente há em diversos estados norte-americanos intensos debates sobre o ensino da teoria da evolução nas escolas.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Vivemos em um momento muito conturbado onde a liberdade de expressão e a igualdade de direitos, base da democracia, são alvos de ações extremistas. O debate livre de ideias com respeito a opiniões divergentes é o caminho para a construção de uma grande nação. Não são inimigas gentes que possuem pensamentos distintos. A História nos mostra exemplos trágicos de descontrole civilizatório quando a razão e a fraternidade não são consideradas nas relações entre as gentes. Todos sofrem quando a barbárie, surgida de almas alimentadas pelo ódio,  domina o ambiente. Todos nós devemos nesse momento difícil refletir sobre o mundo que desejamos viver e construir para as novas gerações. Sempre permanece a esperança que a razão prevaleça sobre a barbárie…

“Enquanto o poema não termina

A rima é como uma esperança

Que eternamente se renova.”

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

Mário Quintana

Céu limpo para todos.

por Marcelo de Oliveira Souza


+ NOTÍCIAS

Aviso importante: a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash etc) do Portal Ururau não é permitida sem autorização e os devidos créditos e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismo de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com o Portal Ururau para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato através do email: parceria@ururau.com.br
Logo
Todos os direitos reservados - Ururau Copyright 2008 - 2016 Desenhado e programado por Jean Moraes

Poxa! Você usa bloqueadores de anúncios :(

Produzir matérias com qualidade demanda uma equipe competente e comprometida com o bom jornalismo. A publicidade é o único meio de viabilizar e manter nossos serviços ofertados gratuitamente aos nossos leitores. Colabore conosco adicionando o http://www.ururau.com.br como exceção de sites permitidos.

Clique aqui e saiba como adicionar o Ururau como site permitido!

Já fiz isso Fechar aviso