Domingo, 19 de maio de 2019
Anuncie no Ururau | Contato
Logo

Coluna do Psicanalista

Luiz Duncan

Um pouco sobre o discurso histérico

28/04/2019 às 08h04

Reprodução
Um pouco sobre o discurso histérico
A histeria, até o final do século XIX era visualizada, pela medicina, como uma patologia pessoalmente imaginária, à qual não se conseguia associar nenhuma disfunção orgânica. Desta forma, a histeria era considerada uma manifestação da ordem do ilusório, do fingimento, da inquietação, dando a ideia de uma doença auto-infligidaO termo tem origem no termo médico grego hysterikos, que se referia a uma suposta condição médica peculiar a mulheres, causada por perturbações no útero.

 Freud, ao adotar o tratamento da histeria, percebe não apenas as interferências do psíquico sobre o somático, mas que estas interferências são recíprocas. O que Freud pôde distinguir é que na histeria o corpo orgânico em sua aplicabilidade é subvertido. Não se trata de um abandono da consideração do corpo, mas da postulação de um novo estatuto para o corpo, que deixa de circunscreve-lo à sua condição somática.Assim, o corpo é visto em uma realidadede excitabilidadeque requer uma deliberação, e a incidência do psiquismo viria a ser uma resposta a essa aflição. 

O discurso histérico é o discurso de todo ser falante, necessário para sua entrada em análise. O dominante nesse discurso é o sintoma, é disso, e sobre isso, que a histérica fala (no feminino pela sua maior incidência nas mulheres). Muitos homens para se analisar também se veem forçados a passar pelo discurso da histeria. Histericizar-se é colocar-se em posição de falar e essa é a regra do jogo da análise.

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

A histeria é a neurose feminina por excelência. A mulher histérica inventa um homem para si mesma, fabrica-o e uma das características é de ser entusiasmada pelo desejo de saber. Daí a busca de um mestre, mas ela o procura para denunciar sua castração: “você também é castrado!” diria ela.

A histérica rejeita ser o objeto para ser desejada, frases como “você só quer meu corpo” “se não fosse bela” “é meu buraco que te interessa” surgem sempre nesse discurso, daí muitas vezes fazerem greve sexual. O neurótico homem mestre, na sua obsessão de resolver, tenta satisfazer essa insatisfação.

Na realidade, o que a histérica quer é um mestre que saiba muitas coisas. Mas como diz Lacan: “que não saiba tanto para crer que é ela o prêmio supremo de todo seu saber. Ela quer um amo sobre o qual ela reina: ela reina e ele não governa.”

 

CONTINUA DEPOIS DO INFORMATIVO

                                                           Luiz Roberto Duncan

                                                                   Psicanalista


+ NOTÍCIAS

Aviso importante: a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash etc) do Portal Ururau não é permitida sem autorização e os devidos créditos e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismo de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com o Portal Ururau para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato através do email: parceria@ururau.com.br
Logo
Todos os direitos reservados - Ururau Copyright 2008 - 2016 Desenhado e programado por Jean Moraes

Poxa! Você usa bloqueadores de anúncios :(

Produzir matérias com qualidade demanda uma equipe competente e comprometida com o bom jornalismo. A publicidade é o único meio de viabilizar e manter nossos serviços ofertados gratuitamente aos nossos leitores. Colabore conosco adicionando o http://www.ururau.com.br como exceção de sites permitidos.

Clique aqui e saiba como adicionar o Ururau como site permitido!

Já fiz isso Fechar aviso